André Jesus

Os céus transpiram romances e coisas.

Haverá sempre, aqui e ali, céus a transpirar bons motivos para se ser marginal e literário ao mesmo tempo. Eis um romance em miniatura entre o avião e a lua:

Half Moon, small plane

Advertisements

Dizer prelúdios

Há algum tempo já que não me alimentava de coisas que injectam poderes no cérebro. De vez em quando, mas mesmo muito pouco, lembro-me de quando tudo era muito mais simples e a vontade de me expressar através da escrita era maior. Criei um lugar virtual com uma aparência de manifesto Comunista, mas no entanto escrevi absolutamente pouco. É limitada a minha vontade para este tipo de assuntos da leitura e da escrita. Sei que gosto, mas não o faço, logo não o respiro. Como se precisasse de tempo para me sentir realmente apaixonado por palavras e vírgulas. A chave da evolução encontra sem dúvida o seu equilíbrio na inocência dos êxodos. Ao ponto de se criar e recriar, quando bem se quer, o universo para sempre pela primeira vez. Os dias são sempre novos para os moralistas e para os “carpe diem” proclamados por tesões de mijo que se julgam mestres em consciência moral. A idade é um tónico que conforme envelhece faz ferver muito menos sangue a cada contacto e fotografia trivial da atmosfera que nos rodeia. Aquilo que vejo dói muito menos. Gritos, revoluções e mutações transpiram cada vez menos. Já não respondo a tiros de partida fulminantes como se o amanhã fosse um talvez. A lei dos dias giram em torno da guerra entre o sol e a lua, mas nós somos apenas espectadores de um espectáculo que acaba sempre em empate a cada 12 horas. Uma força tem sempre de prevalecer sobre a outra. A minha imaginação tem sofrido graves acidentes intelectuais. Hoje decidi tomar uma dose de Mozart. É sempre misteriosa a forma como tudo parece rimar neste universo desde que foi reconhecida a ciência das coisas. Parece-me que ele começou com uma sonata número não sei do quê, que foi apresentada nalgum número de opus não sei de quem e que eram todos o mesmo número mas que afinal não. Foi uma hora vertiginosa, a nível matemático. Mozart sim, é a droga. É o épico. A verdadeira iluminação neuronal sem qualquer fonte de luz física. Já tinha saudades dele e não tantas como tenho de mim.

Mariza – O tempo não pára

Desculpa:

Escrever.

É apagar e carregar no espaço. O resto vem com os astronautas.

Razões pelas quais o André Jesus não tem uma banda.

Um Lugar

André - Canas Senhorim IIISinto que respiro a minha terra como ninguém. É nos contrastes onde se fomentam pseudo-metamorfoses de brainstorms.

Como sempre

Um papel  tão ou menos abstracto do que tu e os teus pequenos significados. Mafalda,

Mafalda

Não sei quê sobre o sol.

As nuvens são muitas vezes as personagens mais bizarras de um manifesto abstracto, pintado pelo sol e entusiasmado pelo vento, que nos permite criar pequenos romances com os olhos. Um dia quero conseguir pintar ou soprar a tua fragilidade bipolar. Ou simplesmente criar uma música para usares como despertador.

Perfumes,

A vida é uma constante do sonho que se propaga ao ritmo de ambições. As minhas orbitam em torno de fotografias. No entanto, eu defendo que grande parte dos nossos gestos e vontades são impulsionados em lugares incógnitos do nortear físico e psicológico dos nossos corpos. Tudo é uma surpresa que rompe ou se esfuma por magia. A arte demais conduz-nos ao abstracto. A imagem é para mim um perfume estimulante, que acontece à medida que passo por lugares. Quando corro, nas horas vagas, passo ao lado de cantos absolutamente revitalizantes como este:

Perfumes, Canas de Senhorim

Ao ritmo do texas

Cada frase é um episódio de cores: um contraste entre padrões que rimam mas não pelo charme da sua concordância. Mais pelo ruído e pelo grito. Mais pelo abstracto. Mais pela tentativa de ocupar as horas com expressões que cospem idiotices em todas as direcções. E no fundo tudo isto é formoso. O meu ouvido para textos continua a investir em hibernações bizarras. Mas tudo nos faz bem: os erros, os pontapés, as distâncias… Estar tão perto de algo deixa-me solitário. Apresentem-me desafios?!